40 Anos de Let it be

Antes de começar quero desejar a todas as mães de todos os roqueiros do mundo um feliz dia das mães pq aguentar roqueiro pedindo R$ pra ir em shows é foda!!

Hey folks?!

Como todos sabem [se não sabem fiquem sabendo] que no dia 8 de maio de 1970 foi lançado o último album dos beatles!

Diferente dos 40 anos do 1ª album de heavy metal, não vou fazer uma postagem gigante nem falar da bio da banda, vou colocar quais eram as faixas e curiosidades sobre elas, here we go, fellas!

Let it be

Let it be

Curiosidades sobre as músicas

Two Of Us: O início, “‘I Dig a Pygmy’, by Charles Hawtrey and the Deaf Aids… Phase One, in which Doris gets her oats!”. “Deaf Aids” era o apelido de seus amplificadores. Música simples feita por Paul em referência a sua esposa Linda Eastman. Mostra um lado não visto há muito tempo nos Beatles: um dueto em perfeita harmonia e sintonia entre Paul e John que lembrava o começo dos Beatles, com a crescente amizade entre eles.
Dig a Pony: Música com ótima construção musical e letra composta por John (que achava essa música um lixo), já trazendo sua nova filosofia de vida que basicamente diz que “você pode fazer o que quiser”, e no final dizendo para Yoko: “All I want is you”.

Across the Universe: foi composta por John Lennon nos tempos que passou no retiro espiritual de Maharishi Mahesh Yogi em Rishikesh, Índia em 1968. A primeira versão contou com um coro feminino de duas fãs que estavam na frente do estúdio em Abbey Road naquele dia. Uma delas era a garota brasileira Lizzie Bravo. George compôs e gravou uma música em homenagem a elas, Apple Scrufs, em 1970.
John tomou emprestado a expressão que os discípulos de Maharishi usavam frequentemente: “Jai guru deva. Om.” Que significa algo como “Vida longa, guru Dev.” A frase: “Thoughts meander like a restless wind inside a letter Box/They tumble blindly as they make their way across the universe” traduzida como: Pensamentos se movem como um vento incansável dentro de uma caixa de correio/Elas tropeçam cegamente enquanto fazem seu caminho pelo universo”, se remete ao fato de Yoko Ono estar enchendo a caixa de correios de John com cartões postais(alguns escritos com seu próprio sangue), mesmo ele ainda sendo casado com Cynthia Powell. “Across the Universe” também foi regravada pelo cantor britânico David Bowie com a participação de John Lennon, atualmente saiu um filme com esse nome e também com artistas cantando músicas dos beatles na trilha sonora.

I Me Mine: A última canção gravada pelos Beatles (sem John Lennon) foi essa de George Harrison, em 3 de Janeiro de 1970. A letra é uma crítica ao egoísmo humano e o sentimento de individualismo e guerra de egos presente no grupo naquele momento, “I Me Mine”, expressão traduzida: “Eu sou mais eu”.

Dig It: Música creditada por todos os Beatles e salva por Phil Spector dos tapes perdidos, mais parecendo um bottleg. Na música John cita o refrão de Bob Dylan: “Like A Rolling Stone” e também a CIA, o FBI, a BBC, o bluesman B.B King, a atriz e cantora Doris Day e o jogador de futebol escocês Matt Busby, seguido das palavras “Enterre-o”.

Let It Be: Escrito por Paul em homenagem a sua mãe. Na música ele diz: “Mother Mary comes to me” parecendo algo Católico ou Cristão (Ave Maria), mas na verdade foi feito pensando em sua mãe Mary McCartney vítima de um câncer, que o abalou profundamente quando era criança. Ele sonhou com ela vindo em sua direção e dizendo Let it be, algo como “deixa estar” ou “vai ficar tudo bem” e quando acordou, já estava com a melodia da música na cabeça. A música existe em duas versões do solo do George Harrison. Sem contar uma versão do álbum “Let It Be…Naked”. John Lennon toca baixo nessa canção.

Maggie Mae: Creditada por todos os Beatles, contando um caso de uma prostituta que roubava lojas, é uma tradicional música folk da cidade de Liverpool. A música lembra os folks americanos, e foi gravado apenas 41 segundos de música, mas era mais extensa segundo Lennon.

I’ve Got a Feeling: Música claramente escrita por Paul para Linda Eastman. Com a fusão de uma música inacabada de John, “Everybody Had a Hard Year”(John tinha tido um ano difícil mesmo, com sua separação, o afastamente de seu filho Julian, as complicações com os Beatles e a Apple e a não aceitação da Yoko pelos membros da banda.) e foi também usando o riff de outra música incompleta de John, “Watching Rainbows”.

One After 909: Foi composta por John e Paul quando estes ainda eram adolescentes no quarto de John em Liverpool, nessa época escreveram também “I Call Your Name”. A canção foi inspirada em músicas do Chuck Berry como “Maybeline” e é um R&B direto e uma letra engraçada sobre uma garota que passa o cara para trás dando o endereço errado do trem que ela vai pegar. Foi gravada especialmente para o projeto Get Back.

The Long And Winding Road: Foi composta por Paul em sua fazenda na Escócia. Ele se imaginou como Ray Charles e escreveu o que se passava na sua cabeça em relação aos Beatles e a situação em que se encontravam. Como dito antes, Paul não gostou do produto final dessa música, odiou o fato de “terem mexido em sua música sem seu consentimento” e pediu para “refazerem a música” tendo seu pedido negado, possivelmente criando a ruptura final entre eles. Só em 2003 quando lançou “Let It Be…Naked”, fez a versão do seu gosto. John Lennon toca baixo nessa canção, mas foi editada por conter muitos erros.

For You Blue: Lado B do compacto de “The Long And Winding Road”, escrita por George Harrison que canta e toca uma espécie de banjo ou craviola adquirido na Índia. John Lennon toca um “Lap Steel Guitar” ao estilo do blues com uma ressonância incrível na guitarra e durante a música é possível ouvir Harrison dizendo: “GO, Johhny, GO” e ““Elmore James got nothing on this, baby”, se referindo a música de inspiração, “Madison Blues” de Elmore James. Em 29 de novembro de 2002, Paul cantou essa música no “Concert for George”, um show em memória ao primeiro aniversário de morte de Harrison.

Get Back: Paul compôs as melodias durante os ensaios em Twickenham, antes de entrar no Estúdio da Apple, o que atraiu a atenção de John a trabalhar na letra, que a princípio usou como tema o ódio e o preconceito da Inglaterra e o “National Front”, com os imigrantes paquistaneses. Algumas frases traduzidas compostas por Lennon: “Enquanto isso, lá, montes de paquistaneses/Vivem em um conjunto habitacional/Conte-me qual é o seu plano, candidato Macmillian/Não me dirá como está”. Mas isso foi abandonado na última hora, porque eles ficaram com receio de serem mal interpretados pelo Paquistão. Em entrevistas posteriores George Harrison disse que Paul cantava o refrão nos ensaios com um olhar “esquartejador” para Yoko Ono: “Get back to where you once belonged” ou “Volte para o lugar de onde você veio”. Ao final da música Get Back, Paul agradece os aplausos de Maureen, esposa de Ringo (Thanks, Mo!) e John tem a palavra final por alguns segundos: – Eu gostaria de agradecer a todos em nome do grupo, e espero que passemos na audição!


Espero que tenham gostado!

Long live ….THE BEATLES!

R. Makaron

3 Respostas to “40 Anos de Let it be”

  1. “Quem gosta de Beatles são pessoas melhores.”

    Lembrem-se disso, haha ;)

    Parabééns pelo Blog !!!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: